28 set 20

Os novos vencedores da Fórmula E: Oliver Rowland

Oliver Rowland fez seu nome como o 16º vencedor na história da ABB FIA Fórmula E, ao vencer a quinta das seis corridas realizadas em agosto passado em Berlim.

Convocado pela Mahindra para substituir o lesionado Nick Heidfeld, o piloto britânico Oliver Rowland entrou para a categoria elétrica em dezembro de 2015 no Eprix de Punta del Este, logo após ter saído como campeão da Fórmula Renault 3.5.

Depois dessa experiência solitária, Rowland se concentrou na Série GP2 e foi um piloto de desenvolvimento para as equipes de Fórmula 1 da Renault e Williams. Em 2018 finalmente recebeu a ligação da Nissan e.dams para participar da quinta temporada como companheiro de equipe de Sébastien Buemi, justamente o vencedor daquela corrida no Uruguai onde Rowland fez sua estreia na Fórmula E.

Em sua primeira temporada completa na categoria, Rowland conquistou dois pódios (segundo em Sanya e Mônaco) e duas pole positions em seu caminho para se tornar décimo no campeonato e ser o melhor estreante do torneio. Nada mal, sem dúvida.

Rowland tinha conseguido sentir o gosto da vitória em sua temporada de abertura e a vontade de se tornar um vencedor estava lá desde o início do campeonato 2019/20, onde ele começou com dois resultados no Top 5 nas duas corridas de Ad Diriyah. Mas as coisas não continuaram bem para ele nem para a equipe e não conseguiram se firmar na primeira parte da temporada.

Nas três corridas seguintes (Santiago do Chile, Cidade do México e Marraquexe), Rowland mal conseguiu a sétima colocação como seu melhor resultado. Quando a Fórmula E se preparava para reiniciar sua temporada em agosto em Berlim, o britânico estava em nono no campeonato, duas posições e três pontos à frente de seu companheiro de garagem.

Já em Tempelhof, Rowland ficou em 14º lugar na primeira corrida, logo escalou a sétimo, sexto e quinto; antes de finalmente viver seu grande dia em 12 de agosto.

No model set

   at Glass.Mapper.Sc.GlassHtml.MakeEditable[T](Expression`1 field, Expression`1 standardOutput, T model, Object parameters, Context context, Database database, TextWriter writer)

No model set

   at Glass.Mapper.Sc.GlassHtml.MakeEditable[T](Expression`1 field, Expression`1 standardOutput, T model, Object parameters, Context context, Database database, TextWriter writer)

Naquela quarta-feira conquistou a pole position aproveitando o fato de que o flamejante campeão 2019/20, António Félix da Costa, assim como Jean-Eric Vergne, Lucas Di Grassi e Buemi não terem feito as voltas mais rápidas por falta de tempo na fase de grupos.

Partindo da melhor posição, Rowland dirigiu as ações da corrida seguido por Robin Frijns, da equipe Envision Virgin Racing, que o acompanhou ao longo da competição até cruzar a linha de chegada 1s903 atrás do vencedor.

Com este resultado, Rowland, que há dois dias havia completado 28 anos, tornou-se o 16º piloto diferente a vencer na Fórmula E e o primeiro desde que Maximilian Gunther venceu o E-Prix em Santiago do Chile, em janeiro passado.

Após tal conquista, Rowland havia terminado em segundo no campeonato e alcançar o vice-campeonato passou a ser o principal objetivo da última corrida da temporada. No dia seguinte a vitória foi um pesadelo, tendo que largar em último após um erro na classificação antes de abandonar a competição devido a problemas no carro.

O ranking final do campeonato indica que Rowland foi o quinto na temporada 2019/20 da Fórmula E. Logo atrás de seu companheiro de equipe mais experiente, o ex-campeão Sébastien Buemi, Rowland foi o único a dar à Nissan e.dams uma vitória no campeonato. Algo que ele, sem dúvida, buscará capitalizar para a sétima temporada e estabelecer-se como um protagonista regular das primeiras posições.