27 fev 20

Uma temporada de alta tensão

O campeonato está muito disputado com sete pilotos em 19 pontos. Em Marrakech, há promessa de outra grande corrida.

A Fórmula E está passando por uma temporada muito competitiva, talvez a mais disputada em seus seis campeonatos. O neozelandês Mitch Evans, da Panasonic Jaguar Racing, lidera as posições, mas ele não está calmo, já que sua vantagem é mínima sobre seu principal rival, o inglês Alexander Sims, da BMW e Andretti Motorsport.


Por trás dos dois primeiros, há vários com possibilidades de superá-los neste fim de semana, onde pode haver um quinto vencedor diferente na mesma quantidade de corridas. Isso pela luta aberta que vem ocorrendo.


Este calendário começou na Arábia Saudita, onde estreou com as equipes oficiais da Porsche e Mercedes, permitindo que a frota seja de 24 carros, quatro a mais que na temporada anterior. Foi um encontro duplo em que o inglês Sam Bird da Envision Virgin Racing e o próprio Sims conseguiram a vitória.


Na primeira competição em Diriyah, Bird começou em quinto lugar. Ele perdeu um lugar no começo, mas não baixou os braços. Ele adiantou primeiro o belga Jerome D'Ambrosio da Mahindra Racing e depois fez o mesmo com o suíço Edoardo Mortara, da Rokit Venturi Racing. Depois foi a vez do alemão André Lotterer, da equipe de Fórmula E da TAG Heuer Porsche. Mais tarde foi a vez da dupla da Mercedes-Benz EQ, o belga Stoffel Vandoorne e o holandês Nyck de Vries. Sua última vítima foi seu compatriota Sims, capaz de capitalizar a liderança e acabar ganhando na frente de Lotterer e Vandoorne.


Na segunda prova da Arábia saudita, Sims reivindicou e alcançou sua primeira vitória na categoria. Ele começou primeiro depois de marcar o melhor tempo de qualificação e venceu de ponta a ponta ao brasileiro Lucas di Grassi da Audi Sport ABT Schaeffler, assim como a Vandoorne.


Depois veio a etapa latino-americana. Primeiro no Cone Sul, com o Santiago ePrix do Chile, onde o alemão Maximilian Günther da BMW i Andretti Motorsport prevaleceu após uma grande luta com o português António Félix da Costa da DS Techeetah. Foi uma definição emocionante com atrito incluído. O pódio foi completado por Evans, que continuou somando pontos ao campeonato.


Enquanto no E-Prix da Cidade do México, Lotterer partiu da pole position, mas Evans o ultrapassou apenas alguns metros desde o início. Ele foi capaz de manter o controle e acabou comemorando seu triunfo, somando um total de 47 pontos, apenas um ponto de diferença de Sims.

Em cinco corridas, apenas uma vez o autor da pole position acabou vencendo, como foi o caso dos Sims na segunda competição na Arábia Saudita. Isso refuta a máxima do automobilismo de que, para vencer em um circuito de rua, 95% é decidido na classificação (devemos excluir o Autódromo Hermanos Rodríguez, mesmo que seja uma rota de apenas 2.093 metros)


A chave do porquê da Fórmula E ser um campeonato  tão disputado está também na dificuldade de dirigir os carros atuais da Fórmula E. Eles são instáveis, têm pouca aderência e essas variáveis exigem o máximo de estratégia dos pilotos e das equipes. É por isso que neste fim de semana em Marrakech também há a promessa de outra grande corrida. Essa pode ser uma das certezas. O que é impossível prever é quem será o vencedor.