10 jul 19

A Formula E conquista as grandes cidades do mundo

Uma das características da Formula E é que a corrida acontece no coração das cidades mais icônicas do mundo, possibilitando visitar diversas regiões do planeta.

Desde o seu nascimento no final de 2014, a Formula E se caracteriza pelas corridas automobilísticas que acontecem em circuitos urbanos, com o objetivo de oferecer ao público um esporte automotivo sustentável, não poluente e que também contribua para o desenvolvimento de veículos elétricos de rua.

A categoria está prestes a terminar seu quinto campeonato, cuja última etapa acontece nos dias 13 e 14 de julho no circuito urbano de Brooklyn, em Nova York. Sua sexta temporada já foi anunciada e o calendário da corrida continua mostrando o interesse das grandes cidades em receber a Formula E.

O campeonato de 2019/20 terá sua primeira rodada em novembro no Oriente Médio, na cidade de Ad Diriyah, na Arábia Saudita. Logo terá duas rodadas já confirmadas na América Latina: a primeira em Santiago do Chile no dia 18 de janeiro e a segunda na Cidade do México no dia 15 de fevereiro.

Entre as outras grandes cidades que fazem parte do calendário 2019/20 estão Paris, Londres, Berlim, Nova York, Roma, Seul, entre outras.

Alberto Longo, co-fundador e vice-presidente da Formula E, falou recentemente sobre os desafios que a categoria enfrenta ao projetar um calendário para a corrida que passa pelo coração das grandes capitais do mundo.

"Provavelmente é o processo mais complicado para todos nós que trabalhamos com a montagem do calendário. Um monte de coisas se juntam"

"Somos um campeonato muito global, por tanto não podemos passar só por certos lugares do mundo, não podemos ficar nem só na Europa, América ou Ásia, mas temos que buscar uma disseminação mundial. Este é um dos grandes pontos que a Formula E tem na hora de resolver o calendário."

"Então por um lado está a questão da sustentabilidade: nós buscamos cidades que estejam preocupadas com a sustentabilidade, com os espaços verdes, com a questão ecológica. Isto é um dos requisitos que finalmente nos ajudam a decidir por quais cidades vamos passar e depois, obviamente, nós gostamos das megalópoles, das grandes cidades, das cidades que têm problemas de poluição e que estão tentando combate-la ", explicou.